quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Primavera..

O Oriente Médio tem sentido a força das pressões populares que começaram no Egito e Tunísia, e continuam se alastrando num caso mais complexo como na Líbia que já dura há mais de seis meses, e na Síria onde o caso é ainda mais complicado. Na Líbia, a tomada do poder já está tomando rumos de conquista, com o desaparecimento do ditador e a tomada da capital. A História sem dúvida fincará marcos neste ano de 2011. Toda essa insurreição é relevante para nós, povos ocidentais de governos democráticos, pois a cada dia acompanhamos novas informações e podemos testemunhar o desenrolar da história na medida em que ela acontece. Justamente por sermos contemporâneos de todas essas mudanças é que nossa visão analítica pode ficar embaçada pela utopia de gerações que esperam um mundo de paz, sem guerras. É verdade que depois dos grandes vendavais os homens sempre podem sentar para processar o que tudo aquilo realmente significou. Será que essa chamada "primavera árabe" é tão cheia de promessas como muitos vem afirmando? Como será o tipo de governo democrático que restará a essas populações? Mesmo não podendo prever o futuro podemos olhar pra trás.  A História mostrou que a invasão ocidental desordenada e irresponsável, resultando em duas guerras, que levou às tensões globais acerca do terrorismo não tinha futuro. Só quem podia mudar o paradigma dessas populações eram elas mesmas. Resta saber o que elas farão agora...



Um comentário:

Bené Souza disse...

Concordo que alguns nem sabem o que realmente acontece em seu país. Ainda assim, viver tendo um ditador como governante, ninguém merece! A preocupação é que saia um ditador e entre outro; tomara que a democracia não seja apenas um sonho!